Orça a Rádio Cidade

Play
Pause

12 de April de 2024

12 de April de 2024

Cartão de crédito, cheque especial e crédito para negativado devem ser considerados “emergenciais”

Compartilhe:

 
O período de instabilidade econômica atravessado pelo Brasil entre os anos de 2014 e 2016 forçou o brasileiro a mudar seus hábitos de consumo e entender a forma mais adequada de utilizar as linhas de crédito com juros muito altos, como o cartão de crédito e o cheque especial.
A avaliação é feita pelo consultor econômico da Acrefi (Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento), Nicola Tingas.
Ele afirma que a crise resultou em uma “mudança positiva na postura dos consumidores” e fez com que o brasileiro entendesse “na marra” o perigo da tomada de empréstimos e financiamentos.
— Infelizmente, a recessão contribuiu para que o brasileiro começasse a entender que não pode usar cartão, boleto, cartão de compras e se endividar sem critério. É necessário saber escolher o crédito mais adequado.
A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, afirma ter observado uma mudança “pontual” e “de curto prazo” no hábito dos consumidores. Ela observa que o controle de orçamento ficou mais rígido, mas avalia que as atitudes não podem ser consideradas suficientes.
— Hoje o consumidor pesquisa mais antes de comprar e realiza o controle do orçamento para conseguir fazer o salário chegar ao final do mês. Existe uma mudança nesse sentido, mas sempre com esses hábitos para resolver o problema naquela hora. A gente não considera isso como um consumidor mais consciente financeiramente porque ele não mudou todos os hábitos financeiros que deveria.
Crédito ruim
Kawauti alerta que o cenário ideal seria sair da crise com mudanças totais e conscientização de que existem linhas de crédito, como o cartão de crédito, o cheque especial e o crédito para negativado que requerem cuidado. No caso do crédito para negativado, a economista afirma que as taxas de juros podem alcançar os 900% ao ano.
Segundo Tingas, os brasileiros estavam misturando o orçamento com a tomada de créditos ruins, que devem ser considerados emergenciais e utilizados por um curto período de tempo.
— Não adianta se endividar até a testa e depois não ter fluxo para pagar. Essa aprendizagem só está acontecendo depois que muita gente está totalmente endividada. Agora, temos que apagar o incêndio da crise. (R7)

Compartilhe:

Leia mais

Policia Civil
Arma apreendida
Passaros apreendidos
Ambulancias
UFSB
Acessibilidade Bombeiros
Dengue
Reuniao indígenas
Capacitacao ambiental
Foragido preso
Identidades aldeia de Prado
Reuniao liderancas indigenas capa

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023 ©. Todos os direitos reservados

Rede Sul Bahia de Comunicação - 2023
© Todos os direitos reservados